Pontos de ancoragem

O que são pontos de ancoragem?

Os pontos de ancoragem são dispositivos de ancoragem, geralmente olhais, dispostos especificamente para proporcionar segurança ao trabalhos em altura. São concebidos para suportar o golpe produzido pela travagem da queda.

O tipo de ponto de ancoragem depende do facto de estes estarem apoiados, abraçados ou ligados à estrutura a partir da qual partem.

Para que servem os pontos de ancoragem?

Os pontos de ancoragem destinam-se a fornecer um ponto específico onde seja possível fazer a fixação em segurança em áreas onde existe o risco de queda.

Os pontos de ancoragem também são utilizados em trabalhos em suspensão. Neste caso, as cargas são diferentes das geradas pelo golpe de travagem da queda.

Ao contrário das linhas de vida que permitem um deslocamento paralelo ao seu comprimento, os pontos de ancoragem não são indicados para este tipo de movimento, exceto se forem utilizados outros EPI como, por exemplo linhas de vida retráteis que permitam o movimento vertical.

Normativa

Os pontos de ancoragem são regulados pela norma EN 795 relativa aos dispositivos de ancoragem, a mesma norma que regula as linhas de vida horizontais.

Esta norma foi sujeita a várias alterações desde a sua primeira promulgação em 1996. A última modificação ocorreu em 2012.

Classes

A norma distingue várias classes (EN 795: 1996) ou tipos (EN 795:2012):

  • Classe A, "ancoragens fixas"
  • Classe B, "ancoragens transportáveis"
  • Classe E, "ancoragens de peso morto"
As alterações introduzidas pela norma EN 795:2012

A última modificação da norma EN 795:2012 deixa fora o seu conteúdo:

  • Os sistemas que são testados para mais de um utilizador. Os dispositivos projetados para mais de um utilizador serão regulados pela norma técnica TS 16415:2013.
  • As ancoragens fixadas nos elementos estruturais do edifício. Serão incluídas nas normas apenas as ancoragens que podem ser desmontadas para revisão.
A norma EN 795: 2012 e os pontos de ancoragem

A norma é de cumprimento obrigatório?

Se antes de sua modificação em 2012 a norma EN 795 já era uma norma de difícil aplicação porque algumas das respetivas secções eram de cumprimento obrigatório e outras não. Com as alterações introduzidas em 2012, a situação complicou-se ainda mais.

O facto de dispositivos de ancoragem terem de ser removíveis e destinados a uma única pessoa torna todo o processo mais complicado.

Assim, dentro da miscelânea de secções referentes aos pontos de ancoragem, A, B e E, apenas as secções B e E, serão obrigatórias, ao passo que a secção A não será harmonizada. Assim, não entendemos a sua inclusão na norma.

Pontos de ancoragem fixos, EN 795-A

Os pontos de ancoragem fixos estão normalmente entre todas as classes deste tipo de produtos que dão maiores garantias de resistência.

E isto acontece porque os dispositivos de fixação utilizados são geralmente instalados nos elementos estruturais dos edifícios.

Além disso, são utilizados fixadores mecânicos, químicos ou à base de soldadura para sua instalação e que garantem o suporte da carga gerada pelo impacto.

Por outro lado, a primeira versão da norma EN 795 de 1996 fazia a distinção entre os pontos de ancoragem fixos da classe A1 e da classe A2. Os segundos são pontos de ancoragem específicos para telhados inclinados que, além disso, não necessitam de ter a forma de olhal.

O número de utilizadores presos a um ponto de ancoragem

Embora vá contra a redação de 2012, muitos pontos de ancoragem permitem a sua utilização por mais do que um utilizador.

O limite é geralmente de 2 utilizadores por ponto de ancoragem.

Saber mais

Esto no es tanto por la carga que pueda generar la caída conjunta de más usuarios, sino por:

  • La imposibilidad de que quepan más EPIs en el punto de anclaje.
  • Y por la incomodidad que va a representar que más de 1 persona se enganche a un mismo punto de anclaje.

É obrigatório cumprir a norma EN 795-A?

A secção A sai do âmbito do conteúdo desta norma e o seu cumprimento não é obrigatório.

E isto porque, como já foi referido, os pontos de ancoragem fixados à estrutura, cuja desmontagem não está prevista durante a revisão, estão fora do âmbito da norma EN 795.

Saber mais

Una vez leída la norma llegamos a la conclusión de que está llena de contrariedades. No tiene ningún sentido clasificar los puntos de anclaje como de tipo A porque va contra la naturaleza de este apartado.

En cualquier caso, si te interesa este tema puedes hacer clic abajo y leer el artículo que nos ha parecido más interesante sobre este tema:

MAIS INFORMAÇÕES

A importância da direção da queda nos pontos de ancoragem fixos

Antes de instalar um ponto de ancoragem fixo, é necessário considerar a direção para a qual a queda pode ocorrer.

Portanto, dependendo se a queda a reter ocorrer numa única direção, em duas direções ou em todas as direções possíveis, necessitará de um determinado ponto de ancoragem.

Considerar este aspeto é importante já que o desempenho dos pontos de ancoragem é diferente.

Existem aqueles que se destinam a suportar quedas numa direção (unidirecional), em duas direções (bidirecionais) ou em todas as direções possíveis (multidirecionais).

Pontos de ancoragem transportáveis, EN 795-B

Esta secção da norma é a que engloba o maior número de tipos de ponto de ancoragem.

Nela são agrupados desde os pontos de ancoragem têxteis até aos elementos projetados para o trabalho em espaços confinados; tripés e braços de resgate, passando, por às vezes, por elementos destinados a fazer parte de linhas de vida temporárias.

Os pontos de ancoragem têxteis

Tripés e braços de resgate

Os pontos de ancoragem com polias móveis

Foto de ponto de ancoragem desmontável.

punto-de-anclaje-textil

São muito úteis quando pretende dispor de uma ancoragem temporária.

Durante a sua instalação, é necessário ter um cuidado especial para não fixar em estruturas com bordas afiadas.

puntos-de-anclaje-trasnportable-brazo-davit-elytra

Sim, estes elementos também são certificados como pontos de ancoragem transportáveis.

Devido à sua importância, criámos um espaço para a sua discussão. Clique aqui para consultá-lo.

Os pontos de ancoragem concebidos para serem movidos ao longo de vigas do tipo IPN ou HEB são geralmente certificados segundo a norma EN 795-B.

Também são geralmente certificados como linhas rígidas, norma EN 795-D.

puntos de anclaje fijos elytra

Este tipo de ponto de ancoragem é instalado em ambientes nos quais se pretende manter a estética. Para isso, é perfurado um orifício na parede onde é introduzida uma ancoragem que, após o trabalho ser realizado, será desmontada.

A norma a respeitar neste caso é a EN 795-B: de cumprimento obrigatório

No caso de pontos de ancoragem transportáveis, a norma é de cumprimento obrigatório. E isto porque:

  • As ancoragens serão consideradas um EPI uma vez que são removíveis para revisão.
  • Apenas uma por pessoa. Se forem testadas para utilização por mais pessoas, para além da norma EN 795, devem ser certificados conforme descrito na norma TS 16415:2013.
puntos de anclaje elytra

Pontos de ancoragem de peso morto, EN 795-E

Este é o equipamento que é instalado quando é necessária uma ancoragem e não existe um elemento estrutural que permita a sua fixação. Estes são casos raros em que praticamente não existem opções de montagem para outro tipo de solução de fixação.

Para instalar os pontos de ancoragem de contrapesos, são necessárias superfícies planas com uma inclinação inferior a 5º. Isso deve-se à necessidade de se prever que a queda irá produzir um deslocamento que será maior dependendo da inclinação da superfície.

O uso deste tipo de pontos de ancoragem é pouco comum.

Normativa

Esta norma, em conjunto com a secção B, é de cumprimento obrigatório no nível da comunidade.